sexta-feira, dezembro 31, 2010

Standards! Gotta have´em!


Dia 31 de dezembro, quase chegando ao fim do ano! Ano que pra mim foi péssimo e hoje acordei pensando nisso. Como de praxe, liguei o computador, abri o iTunes e dei play antes de fazer qualquer outra coisa. Enquanto escovava os dentes tocava “Don´t Panic” do Coldplay e o refrão dessa música é “We live in a beautiful world, yeah we do”, bom há controvérsias, mas isso me lembrou de uma coisa que sempre me faz refletir, e que já até pensei em escrever um livro sobre, e essa coisa se chama padrão.

Por que padrão?

Vou explicar!

Na vida nada é tão bom ou tão ruim quanto parece! Triste? Não sei se isso é triste, também não sei se isso é uma coisa boa! Mas uma coisa é fato, tudo depende dos seus padrões de comparação, ou seja, como você encara cada situação é o que vai determinar se ela é boa ou ruim!

Eu comecei a pensar nesse assunto quando morava em Sydney e trabalhava de “kitchen hand”, em outras palavras, eu era o cara que fazia o trampo que ninguém queria fazer. Essa experiência eu passei logo no começo da minha vida fora do Brasil. Nessa época o meu inglês era péssimo a ponto de eu evitar as pessoas para não ter que lidar com o stress de uma conversação, então durante o meu “shift” eu passava horas e mais horas ralando a barriga na pia lavando pratos sem trocar uma palavra com ninguém, situação que acabou me proporcionando muitas reflexões, algumas vazias, outras nem tanto.

Ainda que o meu emprego não me proporcionasse nenhuma realização profissional, esse tempo em que lá estive foi, sem dúvidas, inesquecível e isso me levava a pensar nos nordestinos que vêm à São Paulo para fazer exatamente este tipo de atividade. Às vezes olhamos para estes trabalhadores com um pouco de dó, pois sabemos que a vida deles não é fácil (pelo menos espero que saibamos), mas talvez para estas pessoas, o fato de estarem empregados em uma cidade como a nossa já é uma vitória, já que provavelmente os seus padrões, e digo isso sem arrogância alguma, são muito mais baixos do que os nossos, do mesmo jeito que para mim só o fato de andar nas ruas de Bondi Beach a qualquer hora do dia sem ter de me preocupar com a violência já fazia valer todo o esforço.

Um dia ainda quero escrever um livro para falar sobre isso, não quero que seja um livro de auto ajuda,  mas gostaria de poder mostrar para as pessoas que a vida é muito mais simples do que pensamos, me incomoda ver como as pessoas muitas vezes sofrem e/ou deixam de aproveitar certos momentos justamente por não saberem procurar o melhor ângulo para se ver determinada situação.

A vida é uma só, temos apenas uma chance de ser feliz, e a felicidade não é uma coisa que se constrói com o tempo para um dia poder desfrutá-la, a felicidade está sempre ao nosso lado, basta saber enxergá-la nas entranhas do nosso dia a dia, basta saber procurar antes de reclamar, antes de bater o martelo e dizer que tudo está perdido.

Não sou nenhum Niesztche, nunca fui gênio, mas na arte de saber aproveitar o que me foi dado pela vida e pelo acaso (sim só acredito no acaso, mas isso é um tema para outra discussão) eu sou PHD! Todos os dias quando acordo e aperto o play, começo o dia determinado a cumprir a minha meta que é a de chegar ao fim do dia, olhar no espelho e dizer “Se eu morresse hoje, morreria feliz!”

Agora com licença que eu tenho uma meta a atingir! 

Deixe seu comentário!!!

#NowPlaying: Paul McCartney - Anyway

segunda-feira, dezembro 13, 2010

Reflexões de uma sala de espera


Esse ano só eu sei o quanto eu esperei. Infelizmente por motivos de saúde fui obrigado a passar esse horrível ano de 2010 indo e vindo do hospital, este que atende pelo nome de A.C. Camargo, vulgo Hospital do Câncer.

Agora enquanto escrevo estou aqui de novo, esperando! Para ser mais exato, estou esperando há 1 hora e 44 minutos para ser internado pela quarta e última vez no ano. Durante essas longas e entediantes esperas eu invariavelmente penso sobre o mesmo assunto, eu olho para as pessoas que aqui estão e tento achar uma razão pela qual todos estamos aqui nesse lugar, que sem dúvidas é o último que gostaríamos de estar. Mas infelizmente não existe uma resposta, quer dizer, não existe uma resposta direta, esclarecedora, mas sim uma resposta subjetiva: estamos todos aqui por acaso.

Eu há muito tempo deixei de acreditar no pouco que ainda acreditava, e esse pouco se chamava Karma e, por favor, não quero que pensem que eu não acredito em nada porque sofri e passei por coisas difíceis, porque não é o caso! Eu deixei de acreditar simplesmente porque depois de muito refletir, nada fez sentido, e comigo é assim, se eu não entendo, não acredito, não vou acreditar simplesmente porque todo mundo me falou para acreditar. Esse negócio de crença tem que ser natural, e não forçado! Simples assim.

Mas voltando ao assunto, quando olho à minha volta, vejo pessoas de todos os tipos: altos, baixos, gordos, magros, homens, mulheres, atletas e sedentários, além de pessoas honestas e desonestas. E todas estão aqui, na sua grande maioria, passando pelos piores momentos de suas vidas, e eu apesar de já ter passado pelo pior, me incluo nisso. E onde eu quero chegar com isso? Eu te respondo! O que eu estou tentando explicar, é que não adianta se você é uma pessoa boa ou ruim, estamos todos sujeitos ao acaso, sei lá, não sou nenhum médico pra explicar, mas se você nasceu com algum “componentezinho” meio errado no seu organismo, já era! O que você pode vir a fazer na sua vida não vai mudar nada, um dia esse componente vai te dar uma doença, e um abraço, fato! O nome disso é genética, e se a sua veio com defeito, pode rezar, chorar, espernear, fazer macumba e/ou ganhar o Nobel da paz mil vezes, ainda assim, você vai se dar mal! #sadbuttrue

Agora antes que eu seja mal interpretado vou me explicar. Eu não estou aqui fazendo apologia para que você seja um FDP e que se dane todo mundo. O que eu estou querendo dizer é que temos que viver a nossa vida como se não houvesse amanhã, porque infelizmente pode não haver, o relógio não para e nada que possamos fazer vai mudar isso! Eu tento levar a minha vida sendo uma pessoa honesta porque isso me traz bem estar, me faz dormir a noite, e não porque lá na frente serei recompensado. Desculpem o vocabulário chulo, mas eu sei que uma hora a casa vai cair, e quando essa hora chegar, eu vou poder olhar pra trás e dizer: “Eu aproveitei, eu fui feliz”!

 E você? Se hoje fosse o último dia sua vida, você poderia dizer isso? Se não, comece a correr atrás, porque o seu tempo, assim como o meu e o de todas estas pessoas que aqui estão à minha volta, também está acabando!

Ps. Pode ser triste pensar assim ou não, mas de qualquer jeito aqui vai uma reflexão:
“Em vez de viver pensando no futuro e nas coisas que possamos vir a conquistar, viva pensando na possibilidade de que talvez o que temos hoje é o melhor que jamais vamos ter!”

Deixe seu comentário!!!

#NowPlaying: Bright Eyes - Four Winds

quinta-feira, dezembro 02, 2010

terça-feira, novembro 30, 2010

Cadê o pó?

Ontem eu estava no carro voltando pra casa ouvindo o 90 minutos na Kiss com o Ronaldo e o Nasi, e claro eles também estavam falando sobre a “guerra” no Rio. Mas o Nasi falou uma coisa que eu ainda não havia parado pra pensar, ele falou “Cadê o pó?” E realmente é verdade, a polícia - eu li hoje de manhã no Último Segundo do IG – só apreendeu um total de 285 kg nas invasões ao Complexo do Alemão e à Vila Cruzeiro. Não sei, também não sou nenhum “especialista do narcotráfico”, mas essa apreensão me parece ser muito insignificante, vira e mexe você vê nego sendo preso nos aeroportos levando sozinho dezenas e mais dezenas de cocaína pro exterior, aí de repente os caras invadem um dos maiores redutos de tráfico do entorpecente e acham menos de 300 kg?! Como diria o Raimundos antigamente “Opa, peraí caceta!”, é claro que eles não vão divulgar que acharam toneladas, porque aí eles teriam que destruí-las, e cocaína meus amigos é igual dinheiro e dinheiro ninguém joga fora, dinheiro circula, dinheiro gera mais dinheiro!

A primeira coisa que eu questionei quando vi  a polícia efetivamente invadindo o morro foi “quem se esqueceu de pagar quem?”.  É triste, mas é verdade. As autoridades não têm interesse em acabar com o tráfico de drogas! Fato! A equação é bem simples, eles não vão resolver um problema que gera lucro e benefícios para eles próprios.

Essa coisa toda me lembra de uma história. Quando eu trabalhava em uma operadora de telefonia celular, era um saco ter que lidar com clientes que iam para reclamar de cobranças indevidas na conta, aí um dia, eu cheguei pro meu gerente e falei: “Pô meu, que saco, por quê eles não dão um jeito nesse sistema e resolve esse problema nas cobranças!?”, ele olhou pra mim, com um certo olhar de desprezo e falou: “Filhote, você acha mesmo que eles vão gastar dinheiro pra arrumar um problema que gera lucros?”, ou seja, a porcentagem de reclamações são muito insignificantes em relação à todas as outras pessoas que pagam suas contas “superfaturadas” sem jamais questionar, os que reclamam são ressarcidos, mas essa é a grande minoria.

Isso tudo, só me leva a uma conclusão! Essa invasão da polícia jamais teve como objetivo acabar com o narcotráfico, o objetivo disso tudo é tirar o poder de um e dar para outro, nesse mundo podre, onde temos criminosos de todos os tipos (descalços, fardados e de terno) os relacionamentos são muito complicados, obviamente, já que “um é mais filho da PUTA que o outro”, então o que acontece é que às vezes um passa a perna no outro e “dá merda”, e nesse caso especifico, deu!

Mas fiquem tranquilos, logo tudo volta à normalidade, a história irá continuar! Mas dessa vez com novos rostos e novos vulgos, mas o enredo, aah... esse é pior que novela da Globo com família italiana, é sempre igual!

-Matéria do Último Segundo sobre as drogas apreendidas:

Deixe seu comentário!!!

#NowPlaying - Justice - D.A.N.C.E.

sexta-feira, novembro 26, 2010

22/11/2010 – The day that a dream came true!

Lembro de quando era criança, fomos ao aniversário de uma tia minha, o famoso compact disc tinha acabado de ser lançado e muitos convidados estavam presenteando minha tia com Cd´s dos Beatles, lembro também que ela já tinha todos os vinis deles e eu não conseguia entender porque ela precisava também dos tais Cd´s. Mas essa não é a única coisa que me marcou nesse dia, nunca me esqueço de estar sentado sozinho no sofá ouvindo Beatles a noite toda tentando entender o porquê de toda aquela comoção da família e principalmente da minha tinha em relação aquela banda.

Eu, como todo ser vivo que já andou por este planeta, já era familiarizado com o nome The Beatles, mas pra mim não passava de uma banda que os velhos gostavam, ou seja, era chato. No auge dos meus 14 anos eu gostava de ouvir Alice Cooper, Iron Maiden e adorava o “meu” “The Dark Side of the Moon” que eu havia roubado da minha irmã. Mas estava encucado com a tal banda de Liverpool e lembrava ter ouvido durante a festa minha mãe dizer alguma coisa do tipo “Ah esse eu também tenho”, então como todo bom moleque aficionado por música que se preze, decidi fuçar nos vinis da minha mãe pra ver o que achava.

Não deu outra, achei 2 vinis do Beatles, um era uma coletânea lançada, não por acaso, no natal de ´66 chamada “A Collection of Beatles Oldies... But Goldies” e o outro era o clássico “Beatles for Sale” que fora lançado em ´64. O primeiro era obviamente recheado de clássicos, pois se tratava de uma coletânea, nada que tenha me impressionado na hora, e o segundo, ah esse sim marcou, nunca vou me esquecer da primeira vez que ouvi “No Reply”, era diferente de tudo que eu já tinha ouvido na minha vida, não só pelos timbres de guitarras ou pela harmonia única nas vozes de John e Paul no refrão, mas nunca na minha jovem vida tinha me emocionado com uma música, claro que com 14 anos era difícil de entender essa coisa de sentimento, mas mesmo sem entender as letras lembro-me de ter sentido uma mistura de alegria com tristeza, era quase um sentimento nostálgico que me fez sentir saudades de coisas que eu nunca tinha passado.




Depois dessa experiência decidi ir atrás do resto, eu parecia um adicto, queria mais e mais. Nessa época, não lembro se já tinha internet em casa, mas se tinha devia ser uma porcaria pra baixar músicas, então comecei a frequentar um sebo que tinha no Tatuapé, mais precisamente na Rua Tijuco Preto. Foi lá que tudo começou, toda semana eu ia lá e me enfiava num quarto escuro onde invariavelmente entre um espirro e outro eu encontrava alguma coisa do Beatles ou de seus integrantes, foi lá que comprei grande parte dos álbuns que possuo.

Hoje tenho quase o dobro da idade que tinha quando comecei a me interessar por essa banda formada naquela famosa cidade inglesa localizada às margens do Rio Mersey, e atualmente eu os consumo mais do que nunca. Durante todos esses anos foram vinis e mais vinis, Cd´s, livros e uma paixão e dedicação que só aumentou, mas uma coisa ainda me faltava, e essa coisa era ter a chance de ver Paul McCartney ao vivo.  
Durante anos venho dizendo a mim mesmo “Não posso morrer sem ver o Paul” “Não posso morrer sem ver o Paul” e o dia de vê-lo finalmente chegou. Às vezes fico um pouco frustrado por não saber explicar a magnitude disso tudo, o quão importante é  poder ver o meu Beatle favorito ao vivo. Foram anos e anos, ouvindo, lendo, debatendo estórias, fatos, tentando entender cada estrofe de cada música escrita por ele durante todas estas décadas, e de repente eu posso ver tudo isso que eu sonhei e imaginei ali na minha frente, sim eu fiquei um pouco longe do palco, mas ainda assim, eu tive a experiência de dividir o mesmo espaço com ele, por 3 horas da minha vida eu fiquei na presença desse mito do Rock´n Roll chamado Sir Paul McCartney, eu pude ver e ouvir todos os clássicos que marcaram gerações e mudaram a história da música tocados ali, ainda que indiretamente, para mim!

Depois de tantos anos de dedicação e amor pela música, especificamente, pela música dos Beatles, eu posso afirmar que o dia 22/11/2010 foi um dia especial para mim, pois não é sempre que tornamos os nossos sonhos realidade, mas nesse dia, nessa segunda feira chuvosa no estádio do Morumbi isso aconteceu para mim, o meu sonho se realizou, e isso meus amigos, ninguém tira de mim e agora eu posso finalmente dizer em alto e bom som:

“EU NÃO VOU MORRER SEM VER O PAUL”

Deixe seu comentário!!!

#NowPlaying   Pink Floyd -  Speak  to Me/Breathe

sábado, novembro 06, 2010

Come Around Sundown

Esses dias andei meio devagar, queria escrever, mas simplesmente não consegui pensar em nada que me inspirasse. E hoje não foi diferente, estava aqui um pouco frustrado por não ter nada pra escrever sobre, mas foi aí que eu percebi que de novo estava ouvindo o álbum novo do Kings of Leon, "Come Around Sundown", e isso me fez pensar no fato de que fazem quase 2 semanas que eu não ouço outra coisa, bom, então tá aí um ótimo tópico, 
acho que resolvi o meu problema "inspiracional", por hora.


O nome "Come Around Sundown" pode ser interpretado de várias maneiras, quando eu vi pela primeira vez fiquei em dúvida, não sabia se eles estavam chamando o pôr do sol ou se estavam dizendo alguma coisa do tipo "Cola aí no fim de tarde", e como eu fico bem frustrado quando não sei se entendi alguma coisa direito, resolvi ir atrás! Eis que acho uma entrevista do Caleb falando exatamente sobre isso, e a explicação dele foi mais ou menos assim: "I think 'Come Around Sundown' can mean so many different things. Like, 'come around, sundown' like you’re wanting the sundown to get here. But, it’s actually saying, 'I think I’m gonna go have a cup of coffee, come around sundown'", então foi mais ou menos o que eu achava que era: "Acho que vou tomar um cafézinho, cola aí no fim de tarde!"


Explicado o título, vamos falar do que realmente importa, vamos falar de Rock´n Roll!!!
O "Come Around Sundown" começa com "The End", o que é bem irônico já que é a primeira do ábum, mas fiquei meio desconfiado quando ouvi essa música pela primeira vez, fazem meses que eu ouço eles falarem que nesse disco eles querem voltar as raízes e blá-blá-blá, e apesar de ser muito boa, essa faixa lembrou muito do último álbum deles, o "Only By The Night" que é bem legal mas está longe de ser o melhor, mas depois eu fui descobrir que isso foi meio de propósito, já que a maioria do fãs deles, eles adquiriram justamente com esse último disco que foi, não por acaso, o mais comercial. Mas enfim, a idéia deles era começar com essa, porque como eles mesmos disseram, não queriam assustar os fãs novos que não conhecem o material mais antigo. Em outras palavras, o "Only By The Night" foi feito pra vender, "Sex on Fire" é tão "rádio" que o próprio Caleb tem aversão à ela, quando eu morava na NZ na época que lançaram esse single, eu lembro que rolava um papo de que havia sido feita uma pesquisa que constatava que uma porcentagem gigantesca dos maiores hits da história tinham "SEX" e/ou "FIRE" nas letras, não sei se é verdade isso, mas eu acredito! Enfim, agora eles fizeram um álbum pra agradar os fãs de verdade, grupo no qual eu me incluo, mas também não querem perder a massa, o rebanho, que ouve rádio, e compra porque todo mundo tá comprando e vai porque todo mundo tá indo, queira ou não queira, são eles que pagam as contas!


Depois de "The End" vem "Radioactive" que já foi lançada como single, essa música realmente é muito boa, mas "Pyro" que vem logo em seguida pra mim já é um clássico do KOL, faz uns 3 dias que eu ando na rua assoviando e cantando "I, I won’t ever be your cornerstone", tô pego! A terceira faixa se chama "Mary", e ao contrário do que você possa vir a pensar, ele não está falando de nenhuma mulher chamada Mary, nessa música ele fala de marriage, no show deles no SWU eles tocaram e foi muito bom, rock´n roll de verdade, quando eu ouvi ela pela primeira vez a primeira coisa que veio na minha cabeça foi a cena do bailinho em "De Volta Para O Futuro" que o Marty toca Chuck Berry.


A faixa 7 "Back Down South" vem pra confirmar o discurso deles em relação ao novo álbum, eles estão realmente voltando às origens em todos os sentidos, a música mostra quem realmente eles são, três irmãos e um primo do sul dos EUA que fazem música porque gostam e não pela fama e dinheiro. Caleb e Nathan, os mais velhos dentre os quatro, nunca fizeram questão de esconder que não gostam de ser famosos, e agora que já ganharam muito dinheiro, podem muito bem fazer o que e como querem. Quem sai ganhando somos nós, que gostamos de música e não de marketing!


Não posso encerrar este texto sem falar da "Pick Up Truck" que é uma das faixas que eu mais gostei desse álbum novo. Poderia facilmente fazer parte do "Because of The Times", tem a mesma pegada das músicas deste álbum.


Espero que vocês gostem do "Come Around Sundown" tanto quanto eu gostei! Segue abaixo eles ao vivo no SNL no mês passado (outubro). Knock yourself out!


Radioactive (HD) - 23/10/10 Saturday Night Live






Pyro (HD) - 23/10/10 Saturday Night Live



Deixe seu comentário!!!


#NowPlaying - Kings of Leon - New Frontier (B-Side)


quarta-feira, outubro 27, 2010

Brandon Flowers - Flamingo

Bom galera, como alguns de vocês já devem saber, o Brandon Flowers, vocalista do The Killers, lançou o seu primeiro álbum solo no mês passado, o Flamingo, e já estreou em primeiro nos charts da Inglaterra. Tá certo que o marketing que fizeram antes do lançamento foi bem pesado, mas na verdade ele merece mesmo todo esse prestígio, já que é muito bom no que faz, vide seus trabalhos anteriores com a sua banda "Las Veguiana".

O vídeo do primeiro single do álbum, Crossfire,  tem a ilustre presença da  atriz Charliza Theron que foi a vencedora do Oscar de melhor atriz em 2003. Veja o vídeo abaixo:


Espero que tenham gostado, mas não pára por aí, Crossfire é provavelmente a canção mais catchy do álbum, mas depois de ouvir o Flamingo algumas vezes com atenção você vai perceber que ele tem uma consistência e que todas as músicas são ótimas, fica até um pouco difícil de dizer quais são as músicas que eu mais gostei, mas Playing With Fire é muito boa, outra que eu também gostei bastante é a Hard Enough, nessa ele faz um dueto com a ótima Jenny Lewis do Rilo Kiley. Mas pra não ficar em cima do muro, sou obrigado a dizer que a música que eu mais gostei é a The Clock Was Tickin', eu gosto de falar que essa é a Rocky Racoon do Brandon Flowers, tem aquela mesma pegada country sulista, Tenesse style, que a música do The Beatles e até a letra é um pouco semelhante, já que conta uma história de amor com um final não tão feliz, ambas acabam em morte ou quase, como no caso de Rocky, que graças ao seu médico bêbado de gim, consegue sobreviver.

Mas enfim, o legal é que mesmo soando bastante diferente do The Killers, você consegue perceber que as mesmas influências estão presentes neste álbum, então dá pra saber de longe quem está tocando. Vou postar aqui alguns videos pra quem ainda não ouviu o álbum. Enjoy!

Playing With Fire ao vivo em Las Vegas no dia 15/08/2010:

 

The Clock Was Tickin´ versão do álbum:


Quase esqueci, mas a segunda música de trabalho, que por sinal é muito boa, já tem um vídeo também, o nome dela é Only The Young. Esse videoclipe ainda tá fresco, foi lançado no dia 12/10.


Deixe deu comentário!!!

#NowPlaying - Brandon Flowers - Welcome To Fabulous Las Vegas




segunda-feira, outubro 25, 2010

The Beatles











Gostaria de ter dado um nome mais criativo para este post, mas como eu vou falar de The Beatles (e não só Beatles, já que Sir Paul sempre faz questão de corrigir quem esquece do “The”) não consegui resistir e coloquei esse nome mesmo. Mas não estou aqui para falar apenas do nome da banda que, diga-se de passagem, é uma mistura de beat (batida) com beetle (besouro), mas sim da música. Hoje, como não fazia há muito tempo, tive a chance de me trancar no meu quarto e ouvir disco após disco dos Fab Four.
Música é uma coisa muita louca, ela é capaz de te transportar para um tempo distante, ela te emociona, te impulsiona, te faz dormir e por aí vai. Não sei se isso acontece com todo mundo, mas uma simples música é capaz de mudar o meu humor. Outro dia eu estava preso no trânsito a beira de um verdadeiro ataque de nervos, quando de repente tocou “Sexual Healing” do Marvin Gaye, que é uma música que eu gosto bastante por achar a letra muito engraçada, e eu simplesmente esqueci toda a raiva que eu estava sentindo, não que eu desconhecesse o poder da música, mas esse dia foi um dia que marcou, até liguei pra uma amiga pra contar na hora. Mas voltando ao assunto, quando eu ouço Beatles é muito louco, eles conseguem mexer com sentimentos e emoções diferentes a cada faixa, e justamente por causa disso fica muito difícil de saber qual é a música ou o álbum que eu mais gosto.
Eu adoro aquele rock´n roll genuíno do começo da carreira deles, músicas como “I Saw Her Standing There” do Please Please Me e “When I Get Home” do A Hard Day´s Night, por exemplo, são o que há de mais puro quando se trata de rock´n roll, nessa época tudo o que eles mais queriam era fazer música, ouvir os discos de Elvis, Roy Orbison, Carl Perkins e Chuck Berry já não era mais o suficiente. Mas ao mesmo tempo em que eu gosto dessa pureza que está presente nos primeiros álbuns, é impossível não gostar de obras de arte como as canções presentes no Sargent Pepper´s Lonely Hearts Club Band. As pessoas hoje em dia desconhecem as histórias por trás da música que aqueles, ainda muito jovens, garotos de Liverpool fizeram. O Sargent Pepper´s na época foi uma verdadeira revolução na indústria da música, as pretensões que eles tinham para este álbum em particular eram tão grandes, tão gigantescas, que beiravam a arrogância. Só não era arrogante porque eles de fato conseguiam atingir as metas que pretendiam. Reza a lenda que Brian Wilson, o líder dos Beach Boys, quando ouviu o álbum ficou depressivo e parou de gravar, teria ficado desmotivado pois achava que jamais iria ser capaz de criar algo tão genial quanto ao que o Beatles havia acabado de criar.
Eu gostaria de ficar aqui escrevendo pra sempre sobre os Beatles e as suas músicas, mas como daqui a pouco vou sair (e eu não gosto de começar um texto em um dia e terminar no outro) vou resumir um pouco a história. Bom, como eu disse há algumas linhas atrás, eu acho muito difícil escolher quais músicas ou quais álbuns eu gosto mais, já que o que torna esta banda criada às margens do Rio Mersey tão especial é o conjunto da obra, mas quando me perguntam e eu tenho que responder rapidamente, eu sempre digo que o álbum ou, para ser mais específico, o lado que eu mais gosto deles é o B do Abbey Road de 1969. Se você gosta de Beatles parabéns, se não gosta, deveria! Já to atrasado. Fui!!!

O lado B ou 2 (como queiram) e tão bom, que essa orquestra sinfônica dos EUA se reuniu para tocá-lo na íntegra!



Deixe seu comentário!!!


Sábado 23/10/2010

#NowPlaying – The Beatles – Yer Blues

terça-feira, outubro 19, 2010

"Aspas"

Gosto muito de "frases feitas", ou se preferir, citações! Sei que nem todo mundo gosta delas, mas acho muito legal que algumas pessoas consigam resumir experiências, sentimentos e/ou idéias em poucas palavras. Algumas pessoas geniais durante a nossa história foram capazes de expor de forma sucinta o que milhões de pessoas gostariam de ter dito e nunca conseguiram, pelo menos não de forma tão, digamos, contundente . Algumas frases são tão geniais que transcendem tempo e idiomas. 


Gostaria de dividir com vocês algumas ilustrações que gosto de criar usando algumas frases que acho relevantes. Espero que gostem.


Ps. Já havia postado uma ilustração que fiz usando uma frase do Nietzsche no meu primeiro post.


Deixe seu comentário!!!


#NowPlaying - Kings Of Leon - Wicker Chair



quarta-feira, outubro 13, 2010

E a Oakley hein?

 “A oportunidade está nos olhos de quem a vê” já dizia o sábio. Eu estava assistindo o jornal e de repente tem um representante da Oakley falando que eles iriam fornecer óculos especiais para os mineiros do Chile. Segundo ele, como os mineiros ficaram mais de dois meses sem ver a luz do sol, eles poderiam ter suas retinas danificas caso não fossem expostos à iluminação gradativamente. Agora como diria outro sábio “De boas intenções o inferno está cheio”, claro que a Oakley não estava preocupada de verdade com a saúde dos olhos dos pobres mineiros do Chile, mas estava sim preocupada em mais uma vez mostrar a sua marca, e fizeram isso com maestria!

Em todos os jornais do mundo é possível encontrar fotos dos mineiros usando os tais dos óculos, e você pode pensar que isso é besteira, que não faz a menor diferença nas vendas dos produtos da marca, talvez em curto prazo não mesmo, mas são com atitudes como essas que uma marca se torna um ícone. Eu particularmente não gosto de Oakley, nunca tive e provavelmente nunca comprarei um produto deles, por uma questão de gosto, nada contra a marca, mas tenho que admitir que quando passa um motoboy do meu lado no trânsito com aquele adesivo de um “O” no capacete eu sei na hora qual é a marca e o que eles vendem.
Só nos resta dar os parabéns pro Marketing deles, competência merece respeito!!!

#NowPlaying - MGMT - It´s Working

SWU - Starts With U

Nesse feriado, como todos sabem, rolou o SWU- STARTS WITH U. Eu fui e achei animal. Foi um evento pra ninguém botar defeito. O ponto alto da festa pra mim foi o Kings of Leon que é uma das bandas que eu mais gosto. Achei que eles tiveram uma apresentação impecável, pelo menos que eu tenha visto, acho que eles não erraram um acorde sequer, mas como eu tinha bebido o dia inteiro, pode ser que eu não tenha reparado mesmo. Mas enfim... O lugar foi muito bem escolhido, achei que tinham banheiros suficientes pra todo mundo, estava fácil de achar um carrinho vendendo cerveja (detalhe muito importante) e tinha várias gatas, e falo isso com convicção, porque isso foi uma das primeiras coisas que eu reparei antes de ficar bêbado. O detalhe negativo foi a hora de ir embora, estava impossível de sair daquele estacionamento, mas não vou ficar aqui criticando a organização do evento,  não adianta chorar, se você não quer pegar fila pra comer, banheiro sujo e trânsito no estacionamento, fica em casa, é impossível ir num evento desta magnitude sem ter um pouquinho de dor de cabeça. Se você foi e gostou, parabéns, se você foi e não gostou, azar seu! Na próxima  vez não vá só porque todo mundo tá indo!

E não se esqueçam: Starts With U, então levanta a bunda, pára de reclamar e faça a diferença!!!
Quer uma chance de fazer alguma coisa?

Amanhã é o International Save Japan Dolphins Day! Protestos estarão acontecendo em todo o mundo, inclusive aqui em São Paulo, mais precisamente na frente do Consulado Japonês na Av. Paulista,  nº854 ao lado do prédio da Gazeta. Estaremos nos reunindo lá por volta das 12h00, então se você trabalha ali por perto dê uma passadinha e nos ajude nesta causa! VISTA PRETO!!!

Para mais informações:


Blog Oficial (em inglês): http://savejapandolphins.blogspot.com/

Email: savejapandolphinsbrasil@hotmail.com

#NowPlaying - Athlete - The Getaway

quinta-feira, outubro 07, 2010

Save Japan Dolphins - Abrace essa causa!




Estamos prestando suporte a este movimento que foi iniciado pelo Ric O´Barry, mas antes de explicar a causa vou explicar quem é esse cara. O Richard ficou conhecido nos anos 60 por ser o treinador dos golfinhos (foram cinco) que participaram do seriado "Flipper", você que é jovem provavelmente não sabe, mas esse seriado era sucesso absoluto no mundo inteiro, em outras palavras, esse seriado é um clássico das antigas. Mas voltando ao assunto, após conviver com os golfinhos por muito tempo, Ric começou a questionar a criação em cativeiro. A gota d água foi quando Kathy, um dos cinco golfinhos morreu em seus braços, e até hoje Ric diz que a "causa mortis" foi suicídio, pois já havia algum tempo que estava notando o animal depressivo, e cá entre nós, quem tem animal sabe muito bem que isso acontece mesmo. Depois que isso aconteceu, tudo na vida dele mudou, ele teve uma verdadeira “rage against the machine”, ou seja, ele não só deixou de fazer parte do sistema que ajudou a criar, como também se revoltou contra ele. Desde então Ric tem ido e voltado do Japão, onde a grande maioria dos golfinhos usados em parques temáticos (e afins) é capturada. Mas o problema não é apenas o fato de os golfinhos sofrerem em cativeiro e “comerem o pão que o diabo amassou”, mas um outro problema que está chamando a atenção do mundo é como se dá a captura destes animais. O filme “The Cove” (http://www.thecovemovie.com/) , que foi vencedor do Oscar de melhor documentário em 2010, retrata muito bem como e onde tudo isso acontece.

O negócio é bem intenso mesmo! Os golfinhos são mortos cruelmente, é revoltante. Quem puder, assista esse filme e, por favor, eu insisto, não encoraje este tipo de prática, simplesmente não vá a parques que exploram animais. Não há nada melhor do que apreciar estes animais fantásticos em seus habitats naturais. Vê-los fazendo truques forçados presos dentro de tanques cercados por milhares de pessoas é uma atividade sádica! Não patrocine a tortura!

.
Se você tem Facebook, visite a nossa página Save Japan Dolphins "Brasil"!
Dúvidas? Entre em contato conosco também através do nosso email: savejapandolphinsbrasil@hotmail.com
.
Outro dia me perguntaram: -Pô mas tem tantas outras causas? Por Quê Essa?
E eu respondi: Eu tirei a bunda da cadeira e abracei a minha causa! E eu te pergunto: Pô mas tem tantas outras causas? Porque você ainda não tirou a sua da cadeira?
Deixe seu comentário!!!
Por: Jorge Perez
@MPerezJorge
#NowPlaying – Paul & Linda McCartney – Eat At Home

quarta-feira, outubro 06, 2010

Algumas coisas são impossíveis de serem esquecidas!

O país inteiro está dando risada de nós Paulistas porque o Tiririca foi eleito, beleza! É ridículo, eu concordo, mas e o povo do Maranhão q elege aqueles filhos da p... dos Sarney sempre, e em Alagoas que ainda votam no Collor, e no Rio o Garotinho, em Brasilia os Roriz, e o Rio Grande do Sul que elegeu o Tarso Genro? Será que nós somos as piadas do Brasil mesmo? Estou cansado de ver essas pessoas envolvidas em escândalos de todos os tipos, já fizeram de tudo com o dinheiro, já lavaram, desviaram, esconderam na cueca, no sapato, já mandaram pras Ilhas Canárias e pra lugares que nós pobres mortais pertencentes à classe média brasileira nunca ouvimos falar. Eles metem a mão na maior cara de pau desde sempre, mas eu nunca vi o Tiririca roubar, ele pode ser burro, retardado, analfabeto e tudo mais, mas será, realmente, que ele representa o fundo do poço? Será que nós Paulistas somos mesmo uma piada? Vocês que me desculpem, mas o fundo do poço já passou, já cavamos tão fundo que daria pra ter resgatado os pobres mineiros chilenos (http://bit.ly/9QaOny) umas dez vezes.

#NowPlaying: Brandon Flowers - I Came Here To Get Over You



terça-feira, outubro 05, 2010

Meu primeiro post!

Para começar o meu Blog acho que seria justo eu fazer uma homenagem a uma amiga que morou comigo durante um tempo, o nome dela é Anna. O motivo dessa homenagem é por ela ter sido a pessoa que me inspirou e encorajou a escrever. Bom... esse texto (o meu primeiro) foi escrito em inglês porque nessa época eu estava morando fora do Brasil já havia algum tempo, então eu praticamente respirava english, bom... deu pra entender né? Enfim, aqui está ele! Cheers Anna, this one´s for u!!!



Long story short - The story of someone we know


They say that hard times teach
Well, do they really?
Bad decisions
Followed by bad decisions
Got him thinking
Thinking about what?
What has he been learning?
Or thinking about?
God maybe
Nah…
He’s always so busy…
Writing new riddles I think…
Or maybe just busy not existing
I mean, how do we know anything exists?
Because that little country keep saying so
I mean…
Aren’t they the same people that raped that little boy’s name
Just so they could sell some doctrine books?
Poor guy…
All he wanted was to help his people
Turns out he’s become their mascot
But anyway…
That someone we know
Is not thinking about god
Much…
He’s thinking about
His mistakes…
They weren’t few…
And there’s more to come
But he just hopes
Not to make the same ones again
Maybe he’ll come up with new ones
I mean
There are always new mistakes to be committed
And maybe people will learn from them
Because…
Apparently…
That’s what happens.


#PlayingNow: Athlete - The Outsiders

Postado dia 05/10/10 - 21:31